Sábado, 23 de Janeiro de 2021
98981729172


Maranhão ex- delegado

Armação política pode ter induzido justiça a erro na condenação do ex- delegado Tiago Bardal no maranhão

ex- delegado

28/12/2020 14h25
Por: R10 Maranhão
Armação política pode ter induzido justiça a erro na condenação do ex- delegado Tiago Bardal no maranhão
Enquanto traficantes, agiotas e políticos ladrões que roubam dinheiro público estão soltos. O ex- Delegado Tiago Bardal é condenado injustamente no Maranhão.

O Núcleo de Inteligência SJNOTÍCIASMA, recebeu informações veladas no dia 18 de dezembro de 2020, dando conta que uma armação política induziu a justiça a erro, na condenação do ex-superintendente da SEIC, no Maranhão e ex-delegado Tiago Bardal.

A fonte nos informou que tudo começou no final de 2015 quando deu-se início a uma operação para investigar a agiotagem no Maranhão. O então delegado e superintendente Tiago Bardal, comandou as investigações que apontavam como principais suspeitos o empresário Patrik da Região de Zé Doca-MA e o deputado Josimar do Maranhãozinho.

Segundo a fonte, o inquérito foi concluído no  ano de 2016 com o pedido de prisão para  o deputado Josimar do Maranhãozinho e para o empresário Patrick. Como o parlamentar já fazia parte da base do governo do Maranhão. O secretário de segurança, delegado Jefferson Portela, pediu o inquérito concluso do deputado Josimar do Maranhãozinho e determinou que o delegado Tiago Bardal desse continuidade ao inquérito do empresário Patrick o que resultou na prisão do empresário e com o deputado nada aconteceu por determinação de um ordem superior que teria vindo do Palácio dos Leões.

A fonte nos revelou que mesmo sem a autorização de Portela, Tiago Bardal teria dado continuidade nas investigações do deputado Josimar do Maranhãozinho, que estava sendo acusado por crimes de : Agiotagem, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Por conta disso Bardal recebeu ordens expressas de Portela para abortar as investigações.

 

 
Deputados Josimar do Maranhãozinho e sua esposa Detinha formam um casal perfeito! Ela com sentença decretada no STF, foi condenada a 04 anos de cadeia por crime de improbidade administrativa. Não cabe mais recurso! Só está dependendo apenas da decretação da sua prisão que está no gabinete do Ministro Gilmar Mendes.
 
Josimar do Maranhãozinho está sendo investigado por crimes de: Agiotagem, compras e vendas de emendas parlamentares, desvio de verbas federais, fraude em licitação e formação de quadrilha.
 
Na Operação Descalabro, realizada pela Polícia Federal foi encontrada uma quantia de 5 milhões em seus imóveis e seis milhões foram bloqueados pela justiça. O parlamentar está sendo acusado neste novo processo agora na PF, de desviar 15 milhões de verbas federais destinas ao combate do Covid-19 no Maranhão. Detalhe! tanto Josimar como sua esposa Detinha estão soltos e cumprindo os mandatos de Deputado Federal e Detinha deputada estadual.

O Ex-delegado Tiago Bardal! Por ser acusado de receber 100 mil de propina, para soltar um caminhão com carga contrabandeada, foi preso, expulso da Polícia Civil do Maranhão e agora condenado pela justiça a 10 anos e 8 meses de prisão por crime de concussão e peculato, sendo que a pessoa que o acusou em depoimento pra polícia, negou diante do Juiz que Tiago Bardal o extorquiu e que só falou que tiago tinha o extorquido, por ser coagido por políciais da SECCOR. Mesmo assim a justiça condenou  Bardal, que deve ser preso e encaminhado para um presídio em Pedrinhas. Pode Freud! 
 

A fonte disse que depois de todo este trabalho que teve para investigar o deputado, o delegado-superintendente, passou a ser perseguido e que a perseguição aumentou ainda mais, quando Tiago Bardal, montou uma operação para desbaratar uma quadrilha que trazia mercadorias roubadas, importadas e contrabandeadas para o Maranhão.

No desfeche desta operação, a Polícia Civil do Maranhão através da SEIC comandada na época pelo então delegado Tiago Bardal, descobriu que deputados da base aliada do governo do Estado e dois grandes empresários amigos do governador Flávio Dino estariam ligados a esta organização criminosa.

A fonte diz que daí começou uma armação contra Tiago Bardal, que terminou na sua prisão, expulsão do quadro de delegados da Polícia Civil do Maranhão e agora com a condenação pela justiça em pleno o recesso forense, sem que os seus  advogados fossem notificados oficialmente e sem a imprensa tomar conhecimento desta decisão judicial. Moral da história! Acabaram com a vida do ex-delegado Tiago Bardal, para que a verdade dos que envolviam os deputados governistas e empresários amigos do governador Flávio Dino, não viessem ao conhecimento público. Concluiu!

O Núcleo de Inteligência SJNOTÍCIASMA, tomou conhecimento da sentença condenatória em desfavor de Tiago Bardal, no dia 18 de dezembro. Ao sabermos desta decisão judicial, tentamos entrar em contato com ex-delegado Tiago Bardal, mas nãos conseguimos. A confirmação da sentença foi feita por uma fonte fidedigna do poder judiciário que nos informou o nome do juiz que proferiu a sentença e que Tiago Badal teria sido condenado a 10 anos e 8 meses de prisão por crimes de concussão e peculato.

 


A sentença foi proferida dia 17 de dezembro de 2020, pelo Juiz José de Ribamar D'Oliveira Costa Júnior, da 2º Vara Criminal de São Luís-MA, por crimes de: Concussão e peculato. O repórter investigativo só tomou conhecimento da desta sentença, no dia 18 por uma fonte velada.

Antes do fechamento desta matéria conseguimos entrar em contato com o ex-delegado-Tiago Bardal, que está muito deprimido e sem condições emocionais de falar. Está desnorteado sem saber o que fazer e o que pensar. Decepcionado com esta decisão judicial, Bardal com exclusividade para  o Núcleo de inteligência SJNOTÍCIASMA Falou:

Tiago Bardal envia mensagem por WhatsApp, exclusiva ao Núcleo de Inteligência SJNOTÍCIASMA

 

"Bom dia meu amigo repórter investigativo Stenio Johnny. Estou desnorteado! Segundo os advogados o Poder Judiciário foi levado a erro, haja vista que durante a fase do inquérito policial foi juntado aos autos um termo de depoimento realizado sem as formalidades legais, sendo considerada prova ilícita e o juiz utilizou essa prova para condenar o Delegado Bardal.

Ademais, em violação ao princípio da lealdade processual e da paridade de armas os advogados sequer foram intimados da sentença e em pleno recesso forense. E a imprensa atrvés do seu site de notícias já teve acesso.

Estou sendo está sendo vítima do LAWFARE. Os advogados vão esperar a publicação da sentença para ingressar com os recursos.

Obrigado pela força amigo! Tenha um bom dia

Tiago Bardal.

Se tudo que foi relatado nesta matéria for realmente verdade, é uma vergonha para o judiciário maranhense, que já está com a credibilidade em baixa diante da opinião pública no Estado. São denúncias graves, que o MP, tem a obrigação ética-moral de investigar, independentemente das partes supostamente envolvidas nesta armação, sejam a amigas ou correligionários políticos do governador comunista Flávio Dino de Castro. 

O MP-MA não pode assistir de braços cruzados estas cena de tortura psicológica, que o sistema implantou par destruir a vida de um homem um pai de família e delgado da Polícia Civil do Maranhão. Pedimos que o Ministério Público, analise com carinho os fatos aqui narrados e a luz da justiça, tome as providências cabíveis para que a injustiça não esteja acima da razão da justiça.

Fonte: SJNOTÍCIASMA

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.


Coelho Neto - MA
Atualizado às 13h59 - Fonte: Climatempo
32°
Muitas nuvens

Mín. 22° Máx. 32°

33° Sensação
11.5 km/h Vento
41.9% Umidade do ar
90% (15mm) Chance de chuva
Amanhã (24/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 23° Máx. 31°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Segunda (25/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 22° Máx. 31°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.







Ele1 - Criar site de notícias